Buscar
  • Mônica Bergamo

DOENÇAS AUTOIMUNES

Atualizado: 15 de Ago de 2019

Hoje vamos falar um pouquinho sobre a doença autoimune, uma condição na qual o sistema imunológico ataca erroneamente células saudáveis ​​do corpo humano.

As doenças autoimunes têm se tornado cada vez mais prevalentes. Casos de diabetes tipo 1, doença celíaca, hipotiroidismo de Hashimoto e miastenia gravis, infelizmente não param de crescer. De acordo com o Instituto Nacional de Saúde, cerca de 23,5 milhões de pessoas sofrem atualmente de uma ou mais doenças autoimunes.


A predisposição genética é responsável por 30% e 70% são fatores ambientais, como exposição a produtos químicos , dieta, infecção e disbiose intestinal. A detectação precoce através de biomarcadores preditivos pode retardar/silenciar/impedir a manifestação e até mesmo reverter quadros dessas doenças.


MAS DE QUE MANEIRA ESSE PROCESSO ACONTECE?


As toxinas ambientais invadem o nosso corpo através das células apresentadoras de antígenos (APCs), que geralmente são macrófagos ou células dendríticas. A função das APCs é alertar o nosso sistema imunológico de que existem partículas suspeitas entrando em nosso sistema. Esse processo estimula a liberação de citocinas inflamatórias e anti-inflamatórias em nossos sistema. As citocinas anti-inflamatórias liberam células T reguladoras para monitorar a reação, enquanto as citocinas pró-inflamatórias são responsáveis pela inflamação e a produção de anticorpos.


As células T reguladoras têm o poder de deter a reação imune inflamatória, desenvolvendo tolerância imunológica. Se as células T-reg não interferirem nesse processo, as células T virgens continuarão a reagir e evoluir para células TH1, TH17 ou TFH. Essas células imunes são responsáveis por desencadear doenças autoimunes, inflamações, danos aos tecidos e a produzir anticorpos. A quebra da tolerância imunológica leva a uma resposta autoimune dentro do nosso corpo.


Os produtos químicos tóxicos quando entram em nosso tecido, formam ligações covalentes com células saudáveis no corpo, tornando as irreconhecíveis para o sistema imunológico. As células T entram em contato com essas células que por sua vez estimulam as células B a produzir anticorpos contra células saudáveis ​​irreconhecíveis. Dessa forma o nosso corpo começa a atacar o próprio tecido saudável.


Alguns dos produtos químicos tóxicos e alimentos responsáveis por desenvolver quadros de doenças autoimunes incluem:

  • Bisfenol A (BPA), Mercúrio, Amianto, Micotoxinas, Tricloroetileno (TCE), Benzoquinonas, Formaldeído, Óxido de etileno, Penicilinas, Fumaça de Cigarro, Esmalte, Sódio, Glúten, Laticinios e Glifosato.

Embora esses fatores ambientais possam ter diferentes mecanismos de ação, todos eles podem aumentar o risco de doenças autoimunes, principalmente em pessoas geneticamente predispostas. Abaixo vou citar alguns exemplos de como esses mecanismos podem aumentar esses riscos:

  • Fumaça de cigarro - A fumaça de cigarro e o consumo de álcool podem induzir mudanças na expressão gênica por meio da modificação da metilação do DNA.

  • Esmalte - O verniz para as unhas contém compostos halogenados que podem se ligar às proteínas mitocondriais, alterando sua imunogenicidade e induzindo anticorpos anti-mitocondriais.

  • Sódio - Uma captação excessiva de sal pode afetar o sistema imune inato, interferindo na função dos macrófagos através das células TH-17.

  • Glúten - Uma dieta à base de trigo induz não apenas viés de citocina do tipo TH1 no intestino, mas também aumenta a reatividade das células T ao glúten, predispondo ao diabetes.

  • Laticínios - Beber leite de vaca pode induzir autoimunidade devido à reatividade cruzada de sua componente albumina com o antígeno 1 da célula das ilhotas e a proteína da superfície da célula beta.

Além dos produtos químicos tóxicos e alimentos, os patógenos também podem desencadear uma resposta autoimune dentro do nosso corpo. As infecções patogênicas são responsáveis por estimular as doenças autoimunes de quatro maneiras diferentes: mimetismo molecular, disseminação de epítopos, desregulação da homeostase imune e efeito do espectador.


O mimetismo molecular é um processo no qual o organismo escapa da detecção através da camuflagem molecular. Certos agentes patogênicos desenvolvem epítopos deles mesmos que se parecem com epítopos de tecidos saudáveis, permitindo que o patógeno evite a detecção imune e evolua dentro das células.


Alguns patógenos podem entrar em células saudáveis ​​e produzir proteínas que favorecem o vírus ou as bactérias. Eventualmente, essas proteínas forçam a célula antes saudável a liberar epítopos por todo o corpo.


A desregulação imune ocorre quando o sistema imunológico permanece preso à fase inflamatória desenvolvendo a doença autoimune. O sistema imune precisa mudar da fase inflamatória para uma fase adaptativa, para começar a desenvolver tolerância oral, mas infelizmente muitas vezes o sistema imunológico fica preso na fase inflamatória, e atua como um terreno fértil para a doença autoimune.


O efeito espectador ocorre quando o tecido saudável se torna dano colateral. Quando um vírus ou bactéria infecta um tecido saudável, ele causa inflamações no tecido, o que chamamos de células imunes como células assassinas. Essas células imunológicas são projetadas para atacar o tecido infectado. Quando o tecido saudável é danificado, ele libera compostos minúsculos antigênicos no sistema imunológico fazendo com que eles continuem atacando tecidos inocentes e saudáveis.


Embora esses fatores ambientais possam ter diferentes mecanismos de ação, todos eles podem aumentar o risco de doenças autoimunes, principalmente em pessoas geneticamente predispostas. Abaixo vou citar alguns exemplos de como esses mecanismos podem aumentar esses riscos:

  • Febre reumática, Síndrome de Guillain-Barré, Diabetes Mellitus Tipo 1, Lúpus Eritematoso, Autoimunidade Tireoidiana, Artrite Reumatóide, Doença de Lyme, Esclerose Múltipla, Síndrome de Sjogren, Esclerodermia, Miastenia Grave, Cirrose Biliar Primaria, Síndrome de Reiter, Encefalite Alérgica, Miocardite e Mielopatia Associada ao HTLV.

A baixa diversidade microbiana no intestino também está associada ao aumento do risco de doenças autoimunes e ao aumento da incidência de infecções. Uma rodada de antibióticos de amplo espectro, pode dizimar o microbioma intestinal, diminuindo a diversidade microbiana por até dois anos após os medicamentos terem saído do sistema.


Felizmente, bactérias benéficas que residem no intestino, como Bacterioides fragilis, Faecalibacterium prausnitzii, Akkermansia muciniphila, esporos de Bacillus e Clostridia spp não infecciosa, podem ajudar a combater doenças autoimunes através da regulação positiva do sistema T-reg, supressão de TH-17, restauração da camada de muco intestinal e redução da inflamação sistêmica. Desta forma, o recondicionamento do microbioma intestinal pode ajudar a prevenir e corrigir respostas autoimunes dentro do nosso corpo.


Resumindo o que acabamos de explicar, a doença autoimune pode ser desencadeada por substâncias químicas tóxicas, componentes dietéticos, infecções patogênicas e disbiose intestinal.


Busque reduzir drasticamente o consumo de sódio, cultive sua própria comida, quando possível, para minimizar a exposição ao glifosato, use produtos de limpeza naturais quando possível, evite skincare ou cosméticos que não são seguros para consumo humano, evite glúten e culturas que usam glifosato para dessecação (milho, batata, cevada, aveia, etc), consuma frutas e vegetais para melhorar a diversidade microbiana, tome esporos de Bacillus probióticos para ajudar a reparar o intestino e melhorar a diversidade microbiana, evite o uso prolongado de antimicrobianos quando possível e mantenha a ingestão de gorduras abaixo de 30% da ingestão calórica diária para regular positivamente o sistema T-reg.


Procure um profissional para solicitar exames e manter a sua saúde em dia!


#dramonicabergamo #dicasdadra #infoblog

14 visualizações

ATENDIMENTO

CLÍNICA ISA DERMATO

Rua Raul Píres Barbosa, 1119 - Vila Manoel da Costa Lima - MS, 79040-150

Horário de Atendimento:

Segunda-Feira a Sexta-Feira: 07:00hs - 19:00hs 

TELEFONE: +55 67 3305-2951

CONTATO

  • White Facebook Icon
  • Branca Ícone Instagram